terça-feira, 31 de maio de 2011

Poemas de Viagem Nº 02


CARTÃO POSTAL

 

Seu rosto é um lindo cartão postal

que não canso de admirar.

É a Pedra da Gávea

a Vista Chinesa

a Marina da Glória.

É imagem que penetra em minhas vistas

percorre meu cérebro

invade meus sonhos

transa com meu saber

sem pedir permissão.



Seu rosto é flor de girassol

banhada pela estrela de quinta grandeza

girando-girando-girando

em meus momentos de solidão.

É luz vermelha que ilumina o noturno do quarto

arrebenta minha calma

destrói minha quietude

atropela meu egoísmo

suga meus lábios

sem aviso-prévio.



Seu rosto é um sorriso

que sempre me ganha

que sempre me assanha

que sempre me faz ver o mundo

de uma ótica diferente.



Sou a Baía da Guanabara

e você meu Cristo Redentor!

 
Poema escrito na Baía de Guanabara, Rio de Janeiro.
 
 
 





sexta-feira, 20 de maio de 2011

Poemas de Viagem - Nº 01

REGISTRO


O Tejo

silencioso

ao meu lado

reflete a face de um outro ser

que em mim ainda não havia se revelado



Águas fortes

longas

azuis

de amplos significados



Uma maturidade

uma serenidade branca

toma toda minha caixa craniana

e meus olhos curiosos

possuídos de uma tranqüilidade ímpar

consegue ver o futuro ao longe

sem desespero



Caminho pelo cais de Lisboa

relendo versos de Pessoa

ouvindo o vento cantar um fado

no timbre inconfundível de Amália Rodrigues



Um amor antigo sai da estação Apolônia

e passa próximo ao alcance dos meus sentidos

Recito Álvaro de Campos no ar



Engraçado

O amor que ontem sufocava o grito

o beijo dentro do meu peito

o desequilíbrio do meu irracional

hoje é flor lançada ao mar

seguindo a correnteza

a representação do nada

no esconderijo do Atlântico



A falta

a ausência covarde

a incompreensão do ser amado

já não me dói

Abstraí seu nome

seu canto

seu domínio do meu pensamento



Na "Terra Mãe de Camões"

descobri a força da minha fragilidade

libertei minhas mãos da racionalidade das luvas


Estou livremente lúcido


Mergulho os pés nas águas Lusitanas

 
Poema escrito em Lisboa, Portugal, as margens do rio Tejo.


Rio Tejo
Monumento aos Descobridores


Estátua em bronze do poeta Fernando Pessoa



Monumento à Luiz de Camões

Museu da Casa do Fado


Muro da casa de Fernando Pessoa 

Entrada da casa onde Pessoa viveu os últimos anos de vida



domingo, 15 de maio de 2011

Chá Literário no Colégio Souza Lima

O colégio Souza Lima comemorou, no dia 20 de abril, "70 anos de literatura: do modernismo ao pós modernismo" com concurso de poesia, palestra e apresentação literária das turmas de ensino médio, organizado pela direção e professores. 
Fui convidado pelo professor e amigo Filipe Vale. Apresentei meus livros e falei de poesia.  Todos foram bastante receptivos. O evento foi muito proveitoso e emocionante. Parabéns aos organizadores! Continuem proporcionando literatura aos seus alunos sempre.

Os alunos
Os alunos Caroline, Stela e Rodrigo, o professor Filipe e eu 

Autógrafos para os professores
Eu e Filipe vale